Habilidade e intelig√™ncia do Quarto de Milha fascinam o criador F√°bio Costa

A expectativa é bastante positiva; a criação, sem dúvida alguma, é e continuará sendo um investimento seguro e de alta liquidez. A demonstração de otimismo quanto ao futuro da raça Quarto de Milha é do criador Fábio Pinto da Costa, 28, proprietário do Rancho Montana, em Ibitinga (SP).
A habilidade e a inteligência da raça, fundamentais ao sucesso em provas de apartação (a especialidade do plantel), são as características que mais o fascinam, o que provoca a identificação plena com o Quarto de Milha.

Fábio está na criação do Quarto de Milha há 11 anos e, além de um plantel de 50 animais puros exclusivos para provas de apartação, possui cinco exemplares appaloosa e dedica-se a cria, recria e engorda de gado. No ano passado Fábio, que também é cavaleiro, conquistou a terceira colocação no Potro do Futuro Amador, em Presidente Prudente, em competição promovida pela ANCA (Associação Nacional de Cavaleiros de Apartação), montando Shady Jay. Na etapa bauruense do Campeonato paulista, com o mesmo animal, também ficou em terceiro, na categoria apartação senior.

O garanhão That Dandy Doc, recém importado dos Estados Unidos, é a mais nova aquisição do Rancho Montana, visando a melhoria do plantel. Fábio diz que a "boa conformação e agilidade" dos filhos da primeira geração de That Dandy Doc, nascidos em 1990, fornecem excelente indicativo quanto ao potencial reprodutivo do garanhão.

Fábio afirma que as eventuais dificuldades do dia-a-dia somente poderão ser vencidas com produção e muito trabalho, o que, aliado ao potencial de crescimento do Quarto de Milha, lhe permite antever “um futuro promissor na atividade de criação”. Ele diz que o momento atual é favorável. “Os investidores estão abandonado ou menos diminuindo as aplicações no mercado financeiro”, analisa. Neste contexto, acredita, o Quarto de Milha surge como excelente alternativa “em termos de segurança, rentabilidade e liquidez”. A tendência de aumento no preço do boi é para Fábio mais um bom sinal “Este Mercado sempre esteve ligado à cotação do Quarto de Milha”, avalia.

A atuação e interferência do criador junto às associações e entidades, com críticas e sugestões é, para Fábio, primordial à evolução da raça. A APCT, para ele, tem desenvolvido um grande trabalho. Ele aponta como aspectos positivos o setor de promoção de provas e o apoio oferecido aos criadores e cavaleiros. Quanto a ABQM, Fábio analtece a parte administrativa financeira. Ele reinvidica a integração maior de esforços da ABQM com as associações individuais, como a ANCA e ANCR, além de manter e aprimorar a política de descentralização, possibilitando o surgimento de novas associações regionais como a APCT.

Uma outra proposta defendida por Fábio é a de agilização do setor de promoções, com um mínimo de três grandes eventos importantes ao ano. Em sua opinião, essas promoções poderiam ser um Congresso, um Potro do Futuro e o Campeonato Nacional. “Como forma de incentivo ainda maior aos quartistas, as premiações também deveriam aumentar”, sugere.